Notícias
Mais que um jogo:
26/01/2017 10:00
Em dia de homenagem à Chape, Brasil vence Colômbia com gol de Dudu
Com estádio Nilton Santos mais vazio que o esperado, palmeirense marca no início do segundo tempo, Seleção ganha por 1 a 0, chega ao topo do ranking da Fifa e mantém 100% com Tite

“Vamo, vamo, Chape!”. Com menos gente do que se esperava, mas a emoção de presenciar os sobreviventes da tragédia que chocou o mundo, o Brasil venceu a Colômbia por 1 a 0 no estádio Nilton Santos. O jogo obviamente não teve o caráter competitivo que as seleções, completas e num torneio, poderiam mostrar. Talvez tenha servido para Tite observar melhor jogadores como Dudu, autor do gol, ou confirmar a impressão sobre Rodrigo Caio e Geromel, dupla de zaga já convocada antes e de ótima atuação no amistoso. O público, altamente clubista, presenciou uma atuação desentrosada e por vezes atrapalhada. As trocas de abraços e afagos entre brasileiros, colombianos e sobreviventes valeram a noite. Era o que importava.

Com apenas jogadores de clubes brasileiros, em pré-temporada, depois de um treino juntos, evidentemente o Brasil esteve bem longe daquele que venceu seis jogos com Tite em 2016. Conceitos importantes de seus times não foram vistos: recomposição rápida, por exemplo. Isso permitiu a Borja, logo no início perder boa chance. Weverton espalmou. Só que como a Colômbia também não era lá essas coisas, a Seleção criou. Com bons pivôs de Diego Souza e movimentação intensa de Robinho e Dudu, o próprio palmeirense, Arão e Lucas Lima tiveram chances de finalizar. Atrás, Rodrigo Caio evitou chute perigoso e a trave salvou após cabeçada de Uribe.

O Brasil voltou com Diego, Jorge e Rodriguinho nos lugares de Robinho, Fábio Santos e Arão. E o sistema 4-1-4-1, até então intocável, passou a ser bem mais flexível. Quase um 4-4-2, com Diego (esquerda) e Lucas Lima (direita) na criação. Com mais criatividade no meio, Dudu aproveitou rebote após chute de Diego Souza e cabeceou para o gol: 1x0. O restante do jogo aconteceu muito mais naquela zona central, até as intermediárias, do que nas áreas, com lances de perigo. Um típico amistoso de pré-temporada.

PÚBLICO E RENDA

O telão do estádio Nilton Santos pareceu envergonhado, anunciou bem rapidinho as 18.695 pessoas presentes para o amistoso de apoio à Chapecoense. A carga à venda era de 40 mil. A renda de R$ 1.219.675,00 será destinada ao clube catarinense, que vai repassar às famílias das vítimas do acidente aéreo do último dia 29 de novembro.

PRÓXIMOS JOGOS

O Brasil voltará em campo nos dias 23 e 28 de março, contra Uruguai (Montevidéu) e Paraguai (São Paulo), respectivamente, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Tite vai anunciar seus 23 convocados no início de março, dessa vez com atletas de times espalhados pelo mundo. A Colômbia jogará nas mesmas datas diante de Bolívia (casa) e Equador (fora).

Amizade? Botafoguenses e flamenguistas não comparam a ideia. Willian Arão foi vaiado a cada toque na bola pelos torcedores do Fogão, inconformados até hoje com sua troca de clube. Já os rubro-negros trataram de defendê-lo com aplausos e gritos do nome do volante. A briguinha seguiu por todo o primeiro tempo, e Arão, regular no jogo, saiu no intervalo. No fim, delírio quando Camilo, último a entrar, deu uma caneta no colombiano Berrío, prestes a ser anunciado pelo Fla.

FAIXA DE PRESENTE

Dessa vez não foi rodízio, Tite tinha que escolher um capitão entre jogadores que não costuma convocar, e deu a faixa de presente de aniversário a Robinho, que completou 33 anos na quarta. Em sete jogos sob seu comando, o técnico teve seis capitães. Além do veterano, o lateral-direito Daniel Alves (duas vezes), o zagueiro Miranda, o lateral-esquerdo Filipe Luís, o volante Fernandinho e o meia Renato Augusto.

DIEGO E ROBINHO #SQN

A dupla que encantou o país no início do século, pelo Santos, não se repetiu. Robinho deixou o primeiro tempo com dores, amparado pelo médico Rodrigo Lasmar, e não voltou para a etapa final. O amigo entrou no intervalo. Eles continuam sem tabelar em campo desde 2008, quando, neste mesmo Engenhão, estiveram no 0x0 com a Bolívia.

INVICTO E NO TOPO

Tite manteve os 100% na Seleção: sete jogos, sete vitórias, 18 gols marcados, 1 gol sofrido (marcado contra pelo zagueiro Marquinhos). Para completar o bom momento, o Brasil assumiu a liderança do ranking da Fifa, o que não acontecia desde maio de 2010.

OS MELHORES

Dudu, Rodrigo Caio e Geromel. Fagner alternou, mas teve bons momentos. Rodriguinho e Diego entraram melhor do que os que saíram.


Fonte: Globoesporte

Veja também