Notícias
Operação Lava Jato
28/03/2017 11:42
PF deflagra a 39ª fase da Operação Lava Jato e cumpre mandados no Rio de Janeiro
Nova fase, batizada de Operação Paralelo, foi deflagrada na manhã desta terça-feira (28).

A polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta terça-feira (28), a 39ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Paralelo. Todos os mandados seriam cumpridos na cidade do Rio de Janeiro; um deles é de prisão preventiva e os outros cinco, de busca e apreensão.

Entretanto, na coletiva de imprensa, realizada nesta manhã em Curitiba, a PF informou que o investigado foi preso em Boa Vista (RR), pouco antes das 10h. Roberto Gonçalves é ex-gerente executivo da Petrobras. Ele sucedeu Pedro Barusco – ex-gerente de Serviços da estatal e já condenado na Lava Jato – nos "negócios".

As ordens judiciais foram expedidas pelo juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba, ou seja, pelo juiz federal Sérgio Moro, que é o responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância. O nome da operação foi dado em razão da ação clandestina no mercado financeiro por parte dos investigados.

Segundo a PF, a investigação procura apurar a atuação de operadores no mercado financeiro em benefício de investigados no âmbito da Operação Lava Jato.

A atuação teria se dado no âmbito de uma corretora de valores, que é suspeita de ter realizado a movimentação de recursos de origem ilícita para viabilizar pagamentos indevidos de funcionários e executivos da Petrobras.

A investigação ainda tem como objetivo apurar a responsabilidade criminal de um ex-executivo da Diretoria de Engenharia e Serviços da Petrobras, apontado como o beneficiário de diversos pagamentos em contas clandestinas no exterior, feitos por empreiteiras que contrataram com a empresa.

O termo "paralelo" é utilizado em uma simples alusão a atuação clandestina à margem dos órgãos de controles oficiais do mercado financeiro por parte dos investigados.

38ª fase da Lava Jato
A fase anterior da Lava Jato, deflagrada no dia 23 de fevereiro e batizada de Blackout, apura o pagamento de US$ 40 milhões de propinas durante 10 anos. Jorge Luz e o filho dele Bruno Luz são suspeitos de facilitar o pagamento de propinas.

Ainda conforme a força-tarefa da Lava Jato, entre os beneficiários, há senadores e outros políticos, além de diretores e gerentes da Petrobras.

Fonte: g1.globo.com

Veja também